CNM e APM propõem colaboração ao Instituto Butantan em prol da vacinação contra a Covid-19

0
435

Representantes da Confederação Nacional de Municípios (CNM) e da Associação Paulista de Municípios (APM) propuseram ao presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, colaboração para parcerias e compartilhamento de informações que auxiliem na vacinação contra a Covid-19 em todo o Brasil. O encontro virtual ocorreu na tarde desta terça-feira, 8 de junho.

O presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, reforçou a importância e a atuação proativa e célere do Butantan na busca pela imunização contra a Covid-19. “Sempre ouvimos falar do Butantan desde crianças, mas acho que, hoje, todos sabemos o papel fundamental que presta à sociedade”, reconheceu. Ele reforçou ainda que a vacina Coronavac, produzida pelo Instituto, atende o perfil dos Municípios brasileiros, formado por cidades de pequeno porte, uma vez que não demanda grande infraestrutura para armazenamento.

Na reunião Ziulkoski pontuou dados da última edição da pesquisa semanal da CNM sobre o panorama da Covid-19 no Brasil, que mostra ainda falta de estoque de vacinas. “Nosso papel é cobrar do governo federal. Quando o Supremo [Tribunal Federal] decidiu que os Entes locais também poderiam legislar sobre itens como o regulamento da máscara, não disse que a União não tem competência, mas que todos têm e ela deveria coordenar”, avaliou o presidente da CNM.

08062021 ziulkoski reuniao com butantanNesse sentido, o presidente da APM, Fred Guidoni, reforçou que não cabe aos Municípios a compra de vacinas, mas a atuação conjunta. “A CNM é importante para dar capilaridade e informação, mantendo os Municípios unidos, para juntos fazermos com que o Programa de Imunização efetivamente aconteça”, opinou. Por isso, a associação propôs um protocolo de intenções entre as três entidades – CNM, APM e Butantan – para colaborações e informações sobre a vacina em tempo real.

Coronavac
A Coronavac, da farmacêutica chinesa Sinovac, é produzida pelo Butantan em território nacional. Foi a primeira vacina do país contra a Covid-19 e, segundo informações do Instituto, é responsável pela imunização de nove em cada dez brasileiros. O Instituto Butantan também trabalha na vacina ButanVac, a primeira a ser desenvolvida e produzida nacionalmente, mas aguarda aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para início dos ensaios clínicos.

O presidente do Butantan, Dimas Covas, falou sobre o apoio essencial dos Municípios ainda antes da assinatura do contrato do Instituto com o Ministério da Saúde. “Temos dado a nossa contribuição nesse momento desafiador, nessa pandemia mortal que nos assola, não apenas em relação às vacinas, mas em relação a algumas ferramentas que temos disponíveis. Estamos abertos a prosseguir, a estreitar esse relacionamento.” Até agora, foram entregues todas as 46,112 milhões de doses do primeiro contrato do Butantan com o governo federal. Há um segundo contrato de mais 54 milhões de doses da vacina.

Presente na reunião, o secretário de Desenvolvimento Regional de São Paulo, Marco Vinholi, afirmou que o Estado trabalha para que a produção possa abastecer os Municípios de todo o Brasil. “Nossa expectativa é apoiar os Municípios a ter a imunização e a volta da normalidade, na saúde e na economia.” Também estiveram na reunião o vice-presidente da APM e ex-prefeito de Araraquara (SP), Marcelo Barbieri, o diretor jurídico da Fundação Butantan, Paulo Capelotto, o diretor de Estratégia Institucional do Instituto Butantan, Raul Machado, e a supervisora de Saúde da CNM, Carla Albert.


Por Amanda Martimon
Da Agência CNM de Notícias