Com as mãos na massa

0
381

O mundo era muito diferente quando a jovem Maria Lúcia se encantou pelo médico recém formado e vereador Geraldo, de Pindamonhangaba. Era uma época de muitas dificuldades e o que predominava na família daquela jovem, nascida em SP, mas criada em Pinda, eram os valores familiares, o respeito, o carinho e a simplicidade. Mas a vida reservava bem mais para o vereador, que dividia o tempo também fazendo residência médica. Com tudo isso, ele se elegeu prefeito, depois deputado, vice governador, governador e é um potencial candidato a presidente da República em 2018.
O mundo mudou. Mas dona Lu continua sendo a mesma pessoa com seu jeito obstinado e criativo. Poderia ter escolhido um caminho mais fácil de primeira dama, sem se expor e apenas cuidar da estrutura familiar para dar respaldo ao marido. Dona Lu fez mais, muito mais. Criou três filhos, é extremamente preocupada com sua família, mas ainda assim conseguiu impor sua marca, com os mesmos ideais dos tempos de Pindamonhangaba. Ela criou uma estrutura que hoje se move sozinha tanto na capital como em várias cidades do interior, capacitando pessoas para que consigam, sozinhas, reforçar o sustento de seus lares. Hoje, são mais de 175 mil pessoas que aprenderam desde fazer vários tipos de pães até como trabalhar de pedreiro.
Lu Alckmin é sempre lembrada nos discursos do governador, o que revela bem o perfil desta senhora, de 66 anos, sorriso encantador, cativante e que prefere jogar bola com os netos a assistir televisão. Ele lembra, por exemplo, a noite em que caiu uma tempestade em Pindamonhangaba e ele, prefeito, recebeu um telefonema de madrugada. “Mas o que você vai fazer lá a essa hora, se não vai poder fazer nada?”, questionou ela.
“Quando não dá pra fazer muita coisa, só a presença já diz muito, já é importante, porque mostra nossa preocupação”, respondeu o marido. Em poucos minutos, ela estava a seu lado, tomando chuva junto com o marido, tentando minimizar o sofrimento das vítimas das chuvas. Dona Lu gosta de exemplos. E transmite seus valores desta maneira. Ela lembra que sua mãe foi uma referência importante em sua formação. Eram 12 filhos, mas ainda assim se preocupava com as pessoas. Dona Lu faz das lembranças do carinho de sua mãe uma mola propulsora em suas ações.
Os desafios de hoje são muito diferentes de antes e bem maiores agora. Porém, dona Lu mostra-se disposta a lutar pelos sonhos e ajudar as pessoas em escala cada vez maior.
Lu Alckmin é a entrevistada especial desta edição – em quatro páginas, uma deferência especial –onde fala da família, da vida na política, e desta praticamente certa luta do governador Alckmin para chegar à Presidência da República.

O casal Alckmin está vivendo um momento muito especial em sua vida política. A senhora chegou imaginar que o então vereador Geral Alckmin chegaria a concorrer à Presidência da República?
Capacidade para chegar onde chegou Geraldo sempre demonstrou ter. Ele vem trilhando seu caminho com muito trabalho, respeito às pessoas, honestidade e retidão de caràter, sem falar que já foi vereador, prefeito, deputado estadual, deputado federal e quatro vezes governador. Experiência ele tem para assumir um posto dessa magnitude. Mas tudo acontece a seu tempo. Vamos aguardar.

Hoje, olhando para o passado, tem alguma coisa que a senhora teria feito diferente?
Não, Sou feliz pelas escolhas que fiz e pelo caminho que trilhei até o momento. Fazer o trabalho social é algo maravilhoso, que faz mais que bem para quem se dispõe a ajudar do que para quem é beneficiado. Só por isso, já sou muito grata por tudo que tem acontecido na minha vida.

Em uma grande parte do trabalho de Fundos Sociais de Solidariedade, a ação chega muito próximo do paternalismo. Essa visão está errada?
Nos Fundos Municipais, acredito que essa mentalidade mudou desde que começamos a trabalhar mais fortemente com a qualificação profissional. Se você percorrer o interior do Estado de São Paulo, verá que a maioria dos municípios hoje tem convênio com algum curso da Escola de Moda, de Beleza, de Construção Civil ou Padaria Artesanal do Fundo Social de Solidariedade do Estado. O nosso objetivo não é dar o peixe, mas ensinar a pescar. Quando a pessoa se capacita e adquire conhecimento, isto é algo que ninguém tira dela. Ela se torna independente para decidir seu futuro.


  Padaria Artesanal
A Padaria Artesanal foi implantada em junho de 2001. O objetivo do programa é formar agentes multiplicadores capacitados. Duas pessoas por entidade social ou Fundos Municipais recebem as instruções básicas e, ao voltarem para suas comunidades,
transmitem os conhecimentos e habilidades a outras pessoas.
Durante o curso de um dia de duração, os alunos aprendem a fazer 10 tipos de pães, além de receberem noções de ética, higiene e cidadania. De 2001 a 2006, foram doados mais de nove mil kits a entidades sociais, Fundos Municipais e escolas estaduais. Neste período, foram capacitados mais de 20 mil agentes multiplicadores no Estado de São Paulo, além de pessoas vindas de 17 estados brasileiros e outros países como Paraguai e Angola.
De 2011 até o momento, foram entregues 1.451 kits da Padaria Artesanal, instalados
no interior do Estado e em entidades sociais da capital. Neste mesmo período,
foram qualificadas 97.326 pessoas. Em 2017, o projeto foi ampliado com a assinatura
de convênio com 39 municípios para a realização do Polo Regional da Padaria Artesanal,
que ensinarão, além das 10 receitas tradicionais, novas receitas como pão de mel
e bem casado, cookies gourmet, tortas e quibe e panetone e colomba pascal.
Estas unidades serão inauguradas até o início de 2018.

Escola de Construção Civil
A Escola de Construção Civil foi criada em abril de 2012 para capacitar ou requalificar profissionalmente pessoas desempregadas com mais de 18 anos. Os cursos de Assentador de Pisos e Azulejos e Pedreiro atendem a vários segmentos da construção civil e comunidades carentes, possibilitando a formação para inclusão no mercado de trabalho. A Escola conta com laboratórios para aulas práticas que reproduzem os ambientes de trabalho.
Em 2014, o projeto foi levado para o interior e capital por meio de 56 Polos Regionais
da Escola de Construção Civil. Hoje, o projeto funciona em quatro unidades próprias
do Fundo Social, além das Escolas e Polos presentes em todo o Estado. Desde
2012, foram qualificadas 14.391 pessoas.

Escola de Moda
A Escola de Moda teve início em 2011 para unir duas necessidades: a falta de oportunidade de emprego para mulheres carentes após os 40 anos e a demanda, por parte dos empresários e estilistas, de mão-de-obra qualificada de costureiras e bordadeiras.
A Escola de Moda hoje está presente em sete unidades próprias do Fundo Social de Solidariedade, onde oferece os cursos de Corte e Costura, Modelagem, Bordado em Linha, Bordado em Pedraria, Crochê e Confecção de Caixas para homens e mulheres desempregados com mais de 16 anos.
Em 2012, foram inaugurados 56 Polos Regionais da Escola de Moda no interior do Estado, dos quais surgiram 591 Escolas de Moda no interior e em entidades sociais da capital. De 2011 até o momento, o projeto qualificou 32.944 pessoas.

Escola de Beleza
A Escola de Beleza iniciou as atividades em outubro de 2011 para oferecer qualificação profissional a homens e mulheres desempregados com mais de 16 anos, em cursos de Assistente de Cabeleireiro, Depilação e Design de Sobrancelhas,
Manicure e Pedicure e Maquiagem.
Em 2013, o projeto foi levado para o interior e capital por meio de 56 Polos Regionais da Escola de Beleza, dos quais surgiram 348 Escolas de Beleza.
Atualmente, o projeto está presente em cinco endereços próprios na capital e região metropolitana de São Paulo, além das Escolas e Polos espalhados pelo interior e capital. De 2011 até o momento, o projeto qualificou 30.946 pessoas.


 

No Fundo Social de Solidariedade de São Paulo, a senhora priorizou o foco para a capacitação das pessoas. O resultado é o que a senhora esperava?
Posso dizer que fomos além do que poderia imaginar. Para você ter uma ideia, nossa primeira turma da Escola de Moda não chegava a 200 alunos. Hoje, formamos em média 2 mil alunos a cada dois meses. E ainda há uma fila de espera de mais de 11 mil pessoas para os cursos de Moda, Beleza e Construção Civil apenas nas nossas 10 unidades localizadas na capital.

Desde 2011, a senhora conseguiu transformar a vida de mais de 175 mil pessoas, em vários setores da economia. O Fundo Social tem novas metas a atingir?
O principal trabalho do Fundo Social de Solidariedade é e continuará sendo a qualificação profissional. Por meio dela, milhares de vidas são transformadas.
Pessoas desempregadas que não tinham esperança de um futuro melhor, resgatam auto-estima e passam a ser donas de seu próprio destino.
A nossa meta é continuar expandindo todos os projetos, facilitando o acesso da população a estar oportunidades, sempre na busca da qualificação profissional para que todos sejam protagonistas da suas vidas.

Sobre a família. A senhora tem devoção religiosa católica, uma admiração muito grande por seus pais. Ter referências familiares são um bom indicativo para a harmonia de um lar?
A base de tudo é amor. Em qualquer contexto, se existir amor, tudo é possível.

Sobre o presente. Dona Lu Alckmin já chegou onde raras mulheres tiveram a oportunidade. É a esposa do governador do estado mais rico da união. O que a senhora ainda gostaria de realizar?
Eu sou grata por ser casada com o homem que eu amo, de ter uma família maravilhosa que me apoia no trabalho social que desenvolvo em todo Estado de São Paulo junto a uma equipe competente. O que mais posso querer? Que Deus continue me dando saúde e disposição para continuar trabalhando por aquele que mais precisam.

Sobre o futuro. O Governador Alckmin é um potencial candidato a presidente. A senhora compartilha do senho dele chegar ao Palácio do Planalto?
A possibilidade do Geraldo ser candidato existe e sei que ele está preparado. Mas é um passo de cada vez. Temos que pensar no agora. O passado já foi e o futuro se constrói com as nossas ações do presente. No momento estou 100% focada do trabalho do Fundo Social, que é o que sempre fiz voluntariamente no Fundo Social de Solidariedade desde que o Geraldo assumiu como Governador.

Mas se o governador Geraldo Alckmin chegar à Presidência da República…
Seria uma honra para mim levar este trabalho para todo o país, para resgatar a autoestima e transformar milhares de vidas assim como já aconteceu com mais de 175 mil pessoas no Estado de São Paulo.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva seu comentário!
Digite seu nome aqui